• kikoms

Mesmo após liberação, família de Adriano da Nóbrega decide não sepultar o corpo



A interferência política no caso da morte de Adriano da Nóbrega, ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) ,morto em ação da polícia na Bahia no último dia 9, atrapalha a elucidação do caso e dificulta o esclarecimento da suspeita de execução do ex-policial, acusado de comandar uma milícia no Rio. É o que diz a defesa da família de Adriano, que tenta manter a conservação do corpo, apesar da decisão da Justiça do Rio determinando que o Instituto Médico-Legal (IML) libere o corpo do ex-PM.


A liberação pelo IML está prevista para esta terça-feira. Mesmo assim, o corpo será preservado numa funerária pelos próximos dias, segundo decisão inicial da família, comunicada pelos advogados em entrevista coletiva à imprensa na manhã desta terça.


Os defensores pediram tanto à Justiça no Rio quanto à Justiça na Bahia a realização de uma perícia independente no corpo, no local da morte em Esplanada (litoral norte da Bahia) e a conservação dos restos mortais até a realização dessa perícia. Entre idas e vindas da Justiça, prevaleceu uma decisão que determina a retirada do corpo do IML do Rio.


A defesa conta com uma decisão favorável da Justiça em Esplanada, ainda pendente de deliberação. Se isto ocorrer, e caso o corpo já tenha deixado o IML, ele voltaria para o local.

Adriano já foi homenageado pela família Bolsonaro. A mãe e a mulher do ex-policial foram empregadas no gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio, antes de ele ser eleito senador da República. Os empregos e a distribuição do dinheiro passaram a ser investigados no suposto esquema de “rachadinha” que operava no gabinete de Flávio, investigado pelo Ministério Público do Rio.


Depois de dias de silêncio, Bolsonaro decidiu entrar na história. Deu declarações em que coloca em xeque a operação da PM da Bahia, cujo governo é do petista Rui Costa, e lançou suspeitas de manipulação de investigações pela polícia do Rio. O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), passou a ser desafeto do presidente.


Nesta terça, Bolsonaro chegou a pedir uma perícia independente no corpo de Adriano. O pedido dialoga com a solicitação da defesa do suposto miliciano, mas as interferências políticas são vistas como negativas pelos advogados.

— O componente político não é saudável para a elucidação do caso. Se o caso não tivesse tanta evidência, meus pedidos já teriam sido deferidos — disse o advogado Paulo Emilio Catta Preta, que defendia Adriano e que agora atua para a família do ex-PM.


Catta Preta evitou fazer uma avaliação sobre a postura do presidente, com declarações relacionadas ao caso:

— Não sou nem eleitor dele. A declaração (com pedido de perícia independente) nem prejudica nem atrapalha. O contexto político disso tudo, sim. Talvez meus pedidos já tivessem sido analisados (se não houvesse a interferência política). É um pedido simples. É de se estranhar porque tem sido tão difícil nesse caso, uma vez que há deliberações semanais na Justiça em casos semelhantes.




(O Globo)

12 visualizações
728X90.gif

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2020 Blog Kiko Cangussu