• kikoms

Sem o Aliança, PRTB e Republicanos vão abrigar candidatos bolsonaristas



Sem a certeza de que o Aliança pelo Brasil, partido idealizado pelo presidente Jair Bolsonaro, vai sair do papel a tempo das eleições municipais deste ano, candidatos bolsonaristas têm hoje duas siglas dispostas a recebê-los — o PRTB, do vice Hamilton Mourão, e o Republicanos, ligado à Igreja Universal. Outras legendas com afinidades ideológicas com Bolsonaro já sinalizaram falta de disposição a servir de “barriga de aluguel” para candidatos próximos ao presidente.


Bolsonaro já defendeu para aliados que o Aliança fique pronto apenas para as eleições de 2022 quando ele deve tentar a reeleição. A ideia do presidente é se manter neutro nos pleitos municipais, para evitar eventual desgaste com derrotas.


No início do mês, o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), defendeu publicamente que o Aliança comece a disputar eleições apenas em 2022. Eduardo disse que o partido não pode cometer o mesmo erro do PSL, de aceitar pessoas sem “nenhum tipo de filtro”.


Para ser oficializado, o Aliança precisa recolher as 491.967 assinaturas exigidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e então dar início na Corte ao rito de fundação da sigla.


Data-limite


A data-limite para que o registro do Aliança fique pronto a tempo de a sigla disputar as eleições municipais é 4 de abril. Como quase ninguém acredita que todas as etapas sejam alcançadas até lá, possíveis candidatos começaram a procurar outros partidos para entrar na disputa.


A ideia de grande parte dos que gostariam de sair candidatos neste ano pelo Aliança é escolher outra legenda para disputar as eleições, e depois migrar para a sigla de Bolsonaro quando ela efetivamente sair do papel.


O presidente do Republicanos, Marcos Pereira, disse ter sido sondado por apoiadores de Bolsonaro. Ele se mostrou simpático à ideia, mas afirma que isso não significa que a sigla será necessariamente usada como “barriga de aluguel”.


— Casos pontuais serão devidamente avaliados. É um risco, porém calculado. O combinado não sai caro. Há também o risco de gostarem do partido e optarem por ficar. Por que não? — disse Pereira.


Levy Fidelix, presidente do PRTB, disse que o fato de seu partido ter entre seus quadros o vice-presidente torna natural que a base de apoio ao governo se sinta atraída pela sigla.


— Aqui nós somos um partido verde e amarelo. O verde é uma sala e o amarelo é outra. Eu tenho a segurança de que, no futuro, uma sala possa estar com algumas pessoas a mais ou a menos, mas todos estarão sob o mesmo teto. Que venham, estamos de braços abertos — afirmou.


Antes abertas a pelo menos cinco partidos, as alternativas de filiação encolheram nas últimas semanas. Em São Paulo, o Patriota, partido que já teve Bolsonaro em suas fileiras, tomou uma decisão que afastou os bolsonaristas. Na semana passada, o partido concedeu a direção municipal da legenda ao Movimento Brasil Livre (MBL) e lançou o deputado estadual Arthur do Val, conhecido como Mamãe Falei, à prefeitura de São Paulo.


Desavenças


O ato pegou de surpresa o setor mais conservador ligado a Bolsonaro, que vê o MBL como inimigo. As desavenças entre os dois grupos começaram a inflamar quando os membros do MBL se recusaram a aderir a uma manifestação pró-governo, organizada pela militância em maio do ano passado. Desde então, passaram a criticar algumas atitudes do presidente. A posição de não alinhamento com o governo desagrada os bolsonaristas.


Além disso, o candidato escolhido pelo Patriota já fez duras críticas a Bolsonaro. Por isso, deve levar a turma ligada ao presidente a procurar outra legenda.


— A gente deu um passo para trás, porque o Arthur vem criticando o presidente — afirmou a deputada federal Carla Zambelli (SP) em um encontro de lideranças e apoiadores do Aliança em São Paulo, no último dia 8.


Outros dois partidos antes citados por bolsonaristas interessados em disputar as eleições, o Podemos e o Democracia Cristã (DC), não demonstram mais tanta abertura ao projeto.


— Para ser barriga de aluguel e depois a pessoa migrar para o Aliança, a gente não tem interesse. Mas se quiser vir para construir o Podemos, serão muito bem-vindos — afirmou a deputada federal Renata Abreu (SP), presidente do Podemos.


José Maria Eymael, do DC, seguiu na mesma linha. Disse que houve procura por sua legenda, embora nada expressivo. Segundo ele, será bem-vindo quem “vier para ficar”.




(Guilherme Caetano)




0 visualização
728X90.gif

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2020 Blog Kiko Cangussu